[entrevista] NINJASPY: “conseguir a fusão é complicado, mas tem tudo a haver com a continuidade e o sentir da similaridade rítmica entre géneros diferentes.”

Quando eu era adolescente, lembro-me de ser uma pessoa um pouco intolerante no que diz respeito à música. Estava totalmente mergulhado no meu período punk anarquista underground e, aos meus olhos, tudo o resto era lixo, mainstrem ou uns vendidos! Estou contente por ter crescido e ultrapassado esses preconceitos ridículos! Agora, posso apreciar confortavelmente bandas…